Deterioração do risco de incumprimento no México

A Crédito y Caución prevê que a grave contração do México provoque um aumento dos atrasos e incumprimentos de pagamento em muitos setores de atividade.

A Crédito y Caución prevê que o desempenho económico do México se deteriore significativamente devido à grave contração económica provocada pela pandemia de COVID-19, à forte diminuição das chegadas de turistas e à evolução dos Estados Unidos. A Administração mexicana, comprometida com a disciplina fiscal, lançou um pacote de estímulos fiscais muito limitado pelo que a pandemia deteriorou as condições financeiras das empresas no segundo trimestre do ano, afetando em especial as PME. A atual recessão económica agravará a situação de muitas empresas, numa ampla gama de setores de atividade, provocando um aumento dos atrasos nos pagamentos e dos incumprimentos durante os próximos meses.

A evolução do segundo semestre continuará a ser modesta devido às taxas de infeção persistentemente elevadas, que poderiam desencadear um regresso ao confinamento total. As previsões atuais apontam para uma contração do PIB em 2020 superior a 7%, seguida de uma recuperação de 4% em 2021. Embora a dependência do México das receitas do petróleo tenha diminuído nos últimos anos, ainda representa 6% das exportações de bens, 8% do PIB e 18% das receitas públicas. A Administração elaborou as suas previsões para 2020 com base num preço de 49 dólares por barril, pelo que as finanças públicas estão acomodadas à evolução do preço. Contudo, a debilidade da procura global de petróleo tem um impacto negativo nas contas públicas do país. 

O setor automóvel, a principal fonte de exportações do México, sofre uma forte queda da procura externa e graves perturbações na cadeia de fornecimento. Prevê-se que as exportações de bens e serviços do México sofram uma contração superior a 9% em 2020. Dado que a economia mexicana está estreitamente sincronizada com o ciclo comercial dos Estados Unidos, o país vê-se muito afetado pela deterioração da procura do seu vizinho do Norte. Os Estados Unidos são o destino de 75% das exportações mexicanas, que representam 25% do PIB do país, e são a sua principal fonte de remessas.

Muitas empresas agrícolas enfrentam um aumento dos custos de importação de produtos básicos, em especial de produtos agroquímicos, devido à volatilidade do peso face ao dólar, o que afeta negativamente as suas margens. Os retalhistas de bens de consumo duradouro e de TIC veem-se gravemente afetados pela deterioração do consumo privado e pela diminuição da solidez financeira. No setor de serviços, muitos segmentos veem-se gravemente afetados, em especial os hotéis, restaurantes, bares, espetáculos, aeroportos, turismo, agências de viagens e operadores turísticos. O setor da construção, que teve um desempenho deficiente já em 2019, verá agravada a sua situação devido à recessão económica. Na indústria automóvel é esperada uma diminuição da produção a médio prazo. As indústrias de máquinas, metalurgia e aço veem-se afetadas negativamente pelo aumento dos preços de importação em consequência da desvalorização do peso e da deterioração da procura por parte dos seus principais setores compradores.

Crédito y Caución 16 de Setembro 2020